Tuesday, June 30, 2009

Uns dizem que os meus versos são tristes,
outros que são abstractos.
Mas eu não tenho culpa que a carne da inteligência
seja triste, e inteligente.
Eu preferia que os meus versos fossem
alegres e estúpidos.
Mas, se fossem, não haveria os meus versos.
Os meus versos disseram sempre direito
aquilo que saiu errado quando o quisa fazer
como se a vida fosse a poesia.
Mas eu continuo a crer na poesia.
A vida que tenha paciência.

Adolfo Casais Monteiro

A MANHÃ NO CAFÉ DESERTO

Café.
Ruídos abafados.
É como se a vida fosse calafetada.
Quase silencio.
Os ruídos da rua chegam por este corredor fora
Como enfraquecidos da viagem.
Aqui ao fundo a sombra é maior,
Hoje que chove lá fora,
Miudamente.
Tepidez.
Folheio livros, distraído,
Por aqui ser inútil fingir qualquer acção.
Estar aqui sozinho é viver intensamente,
Estar aqui silencioso e recolhido
Dá não sei que ciência de todos os segredos do fluir da vida.
O café: acumulador de todos os destinos aqui suspensos um momento.
Nesta atmosfera densa permanece a síntese de todos os caminhos
Aqui onde o silencio existe a esta hora da manhã,
Existe apesar dos ruídos,
Segunda atmosfera suspensa e doce,
Alheia ao que não seja a sua compenetrada reflexão
Sobre o surdo ressoar das vidas que por aqui se fixaram um momento.
Planalto para onde todos trouxeram a descansar a agitação das suas vidas
Que puseram ao lado a acalmar sobre os longos divãs de couro,
E onde vieram beber na espessa bebida negra a paz momentânea ou mais excitação.

Paz.
Lusco-fusco.
Alheamento.
Aqui até a nossa vida nos é um espectáculo
Exterior como um filme ao fundo da sala em trevas.
Café,
Meu amigo!


Adolfo Casais Monteiro

Tuesday, June 23, 2009

do sal, ainda

DUALISMO, UNIDADE

Um saleiro.
Um pimenteiro.
Dentro sal num.
Noutro pimenta.
Uma só forma
para duas cores.
A mesma ideia.
Qual escolhes tu:
sal e pimenta
ou a tua alma?

Nem forma ou cor:
tempero.

Ruy Cinatti

e porque hoje é s. joão, o dia é de música muito tuga

Saturday, June 20, 2009

o sal da língua

Conheço o sal da tua pele seca
depois que o estio se volveu inverno
da carne repousando em suor nocturno.

Conheço o sal do leite que bebemos
quando das bocas se estreitavam lábios
e o coração no sexo palpitava.

Conheço o sal dos teus cabelos negros
ou louros ou cinzentos que se enrolam
neste dormir de brilhos azulados.

Conheço o sal que resta em minha mãos
como nas praias o perfume fica
quando a maré desceu e se retrai.

Conheço o sal da tua boca, o sal
da tua língua, o sal de teus mamilos,
e o da cintura se encurvando de ancas.

A todo o sal conheço que é só teu,
ou é de mim em ti, ou é de ti em mim,
um cristalino pó de amantes enlaçados.

Jorge de Sena

Thursday, June 18, 2009

Wednesday, June 17, 2009

thinking about abba great covers



M.C. Escher, 17 Junho 1898









isto sim é um governo alternativo com alternativas verdadeiras

GOVERNO - Meio Bicho e Fogo from 8 e Meio on Vimeo.



«meio bicho e fogo» é o primeiro tema do projecto musical governo.

composto por miguel pedro (fundador de bandas como mão morta e mundo cão) com letra de valter hugo mãe.
o projecto governo é composto por antónio rafael (também dos mãos morta) nas teclas, henrique fernandes no contrabaixo, miguel pedro na percussão e programações e valter hugo mãe na voz.

a animação do vídeo é da autoria de esgar acelerado, com desenhos de sara macedo e do próprio.

«meio bicho e fogo» é o tema com que o governo participa na compilação «novos talentos fnac 2009»

myspace.com/ogoverno

Tuesday, June 16, 2009

Saturday, June 13, 2009

WorldWide Festival: haverá algum festival de verão melhor do que este?!

Worldwide Festival embraces Sete (South of France) with open arms for a 4th consecutive year, returning to power with its faith and trust in Sete’s diversely cultural and Mediterranean outlook to life, love and music. Come the 2nd of July and Sete is home to an array of the worlds most outstanding and upfront cutting edge artists, musicians and DJs. Laurent Garnier live, Gilles Peterson, Diplo, Todd Terje, Theo Parrish, Carl Craig, Jimi Tenor live, LeFtO, Mocky live, Sébastien Schuller live, Soil & "Pimp" Sessions live, Principles Of Geometry, DJ Suv, Stereotyp's KU BO Project, Fuzati, the bPm, Sundae, Son Of Kick, Jazzamar, Elan Mehler live, Dorian Concept live, Martyn, Aline & Da Vince, Garfld, James Stewart, Boozig aka Velcon, Michael Rutten, Trus'me, Earl Zinger, DJ Oil, Shuya Okino, Jazzanova Alex Barck dj set, Fulgeance live, dOP live.

http://www.worldwidefestival.com/


Friday, June 12, 2009

Escrever

Grossistas de palavras

A crer no que disseram os jornais, Carolina Salgado declarou ao tribunal ser escritora de profissão.

E, tanto quanto sei, devia estar sob juramento.

E não lhe tremeu a voz.

E não corou.

Suponhamos agora que ela chegava e dizia, por exemplo, que era advogada. Ou juíza. O que é que lhe acontecia?

Porque para todas as profissões se requerem estudos, habilitações, trabalho esforçado, provas dadas. Para todas - menos para a de escritor. Que é, cada vez mais, uma profissão muito mal frequentada…

Ainda não há muito tempo um jornalista da nossa praça, depois de ter publicado um primeiro romance, também declarava que qualquer um podia ser escritor.

Mal comparado, isto é assim como se uma pessoa que fosse muito habilidosa a coser bainhas se sentisse com todo o direito de coser a barriga de um desgraçado na sala de operações.

Claro que hoje qualquer um pode publicar um livro ou paga do seu bolso, ou encontra uma editora que vá na conversa. Até porque os motivos que levam à escrita cada vez são mais estranhos, e o sucesso cada vez mais rápido, sob os holofotes das câmaras de televisão e das capas das revistas.

Emagreci 30 quilos? Escrevo um livro.

Mas logo a seguir engordei 20 quilos, e o meu homem bate-me todos os dias? Escrevo um livro.

Tramei o namorado que por acaso era do jet-set? Escrevo um livro.

Apareci duas vezes numa telenovela e dei três autógrafos? Escrevo um livro.

Desapareceu-me a bagagem no voo de Cancun? Escrevo um livro.

Descobri que o meu namorado é um crápula e me engana com a sobrinha da porteira que tem menos 20 anos do que ele? Escrevo um livro.

Digamos que é assim uma réplica com vagas pretensões literárias da frase que repetia aquela boneca à entrada da tenda de uma astróloga na velha Feira Popular "um escudo, um escudo, que a Dora diz tudo!"…

É claro que os livros aguentam algumas semanas nos escaparates - enquanto o público se lembra das caras de quem os escreveu, ou chora pelas suas desgraças. Depois esquece tudo, até porque, entretanto, já há outros desgraçados a aparecer, e é preciso sofrer por outras tragédias -e os livros somem. Será que hoje ainda alguém se lembra do título do livro que escreveu aquele Mário, concorrente de um dos "Big Brother", que depois até esteve preso (não, não foi por causa de ter assassinado o português…)?

Publicar um livro, por si só, não faz de ninguém um escritor.

Aqui no meu bairro houve em tempos uma agência turística. Fraca, sem rasgo, aguentou muito pouco tempo. Mas o dono, honestamente, intitulava-se "grossista de viagens".

Aí está "grossista de palavras" talvez não fosse má designação para esses que de vez em quando publicam umas coisas que, à primeira vista - e porque somos um país de míopes -, até parecem livros.

Mas ainda o pior de tudo é pensar que, para haver livros tem de haver papel; e para haver papel tem de haver árvores.

É então que recordo, com saudade, o meu amigo José Palla e Carmo quando dizia "Meu Deus, a quantidade de árvores que é preciso deitar abaixo para se fazer papel de parvo…"

Alice Vieira

Manhã de Junho

Talvez, talvez sejam os últimos
dias. Se for assim, são um esplendor.
Apesar dos aviões da Nato despejarem
bombas e bombas no Kosovo, a perfeição
mora neste muro branco
onde o escarlate
da flor da buganvília sobe ao encontro
da luz fresca da manhã de Junho.
A beleza (não há outra palavra
para dizê-lo), desta manhã
é terrível: persiste, domina –
apesar dos aviões, mesmo com
bombas a cair e crianças a morrer.

Eugénio de Andrade

Sunday, June 7, 2009

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Carlos Drummond de Andrade

Saturday, June 6, 2009

ÚLTIMOS POEMAS, DE NUNO MORAIS




Mársias e a cintigrafia


Mársias cintila. É belo assim recortado,
Mudado por Apolo numa paisagem radioactiva.
O deus, com grandes incêndios, deu início
A uma caça à alma, ainda e sempre a monte.
Apolo é paciente, sabe que nada
Sobreviverá à devastação química
Com que fará pagar o desafio de Mársias –
Ter apregoado a impiedade do sol,
Ter-se jactado — O sol é meu inimigo –
Para se arrancar à sua insignificância.
Apolo não o esfolará vivo:
Reserva-lhe pior – uma sorte de laboratório.
Apolo admira os músculos tangidos,
A precisão dos órgãos,
O brilho viscoso das vísceras,
A coralina arborescência
De vasos, veias, fibras,
O impulso arquitectónico de um grito,
A polpa pulsante do vivo em agonia –
Apolo ama esta luz que tudo arranca.
Sobretudo, é preciso que Mársias
Suplique ainda alguma clemência divina,
Para que a sua carne se torne mais funda,
O seu sangue, mais rico,
Para que a dor se expanda
Seguindo essa esperança condutora
Que o deus, com um sopro, fará vã.

Nuno Morais, Últimos Poemas
Quasi, 2009

Friday, June 5, 2009

Geo grafia

O Uruguai é um belo país da América do Sul, limitado ao norte por Lautréamont, ao sul por Laforgue, a leste por Supervielle. O país não tem oeste. As principais produções do Uruguai são: Lautréamont, Laforgue, Supervielle. O Uruguai conta com três habitantes: Lautréamont, Laforgue, Supervielle, que formam um governo colegiado. Os outros habitantes acham se exilados no Brasil visto não se darem nem com Lautréamont, nem com Laforgue, nem com Supervielle.

Murilo Mendes, Poliedro

Uma vez propus lhe esta questão:
Nós dois estamos aqui nesta sala há uns vinte minutos, conversando. Vinte minutos multiplicados por dois fazem quarenta minutos. Portanto estamos aqui há quarenta minutos, não é ?

Murilo Mendes, A Idade do Serrote

La poésie veut quelque chose d'énorme,
de barbare et de sauvage.

Diderot, De la Poésie Dramatique, 1758

Thursday, June 4, 2009

todd terjeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee



Isaac Hayes - Moonlight Lovin' (Todd Terje edit)

Wednesday, June 3, 2009

eu gosto muito do valter hugo mãe da maria da graça e até da quitéria

o que haveria de surpreender deus era fácil de escolher, um cif líquido marine que ganhasse braços e pernas e fosse muito bem educado para as coisas da limpeza. ai a educação dos objectos, ria-se a maria da graça, já pensaste bem, se aprendessem o que lhes disséssemos e se comportassem direito sem refilar. a quitéria respondeu, tu estás louca, mulher, dá-te por feliz de teres este palácio para passar com cif e cillit bang, porque isto de trabalhar para gente rica com produtos de gabarito é mais fácil duas vezes. achas que isto é do estado. sei lá. deve ser. ajax fabuloso lava-tudo opção montanha. cala-te, não me faças rir.
por vezes, aparecia um serviço maior, uma limpeza profunda numa casa qualquer que se ia vender, que se ia finalmente habitar ou simplesmente que se poria pronta para a páscoa ou outra festa qualquer. aquele casarão era antigo, escadas de pedra, tijoleiras desenhadas havia cem anos, os vidros cheios de madeirinhas a entrecortar, quase como vitrais de igreja, mas sem cores. as duas apreciavam sobretudo a ajuda dos bons produtos de limpeza para aquela aventura de dois dias. se deus viesse à terra dos trabalhadores poderia encarnar numa embalagem destas. eu entenderia que deus fosse uma neoblanc azul denso-activa com pernas e braços e uns olhos a saírem daqui de dentro, porque é muito bonita, não respinga e cumpre a sua função como nenhuma outra. talvez devesse usar esta com o augusto. a maria da graça riu-se e respondeu, e achas que tenho dinheiro para o matar com uma lixívia gourmet. que é isso, perguntou a outra. é o caviar das lixívias. que palavras sabes tu, maria da graça.

valter hugo mãe
o apocalipse dos trabalhadores

Tuesday, June 2, 2009

o resto da lição

Procura da poesia

Não faças versos sobre acontecimentos.
Não há criação nem morte perante a poesia.
Diante dela, a vida é um sol estático,
não aquece nem ilumina.
As afinidades, os aniversários, os incidentes pessoais não contam.
Não faças poesia com o corpo,
esse excelente, completo e confortável corpo, tão infenso à efusão lírica.

Tua gota de bile, tua careta de gozo ou de dor no escuro
são indiferentes.
Nem me reveles teus sentimentos,
que se prevalecem do equívoco e tentam a longa viagem.
O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia.

Não cantes tua cidade, deixa-a em paz.
O canto não é o movimento das máquinas nem o segredo das casas.
Não é música ouvida de passagem, rumor do mar nas ruas junto à linha de espuma.

O canto não é a natureza
nem os homens em sociedade.
Para ele, chuva e noite, fadiga e esperança nada significam.
A poesia (não tires poesia das coisas)
elide sujeito e objeto.

Não dramatizes, não invoques,
não indagues. Não percas tempo em mentir.
Não te aborreças.
Teu iate de marfim, teu sapato de diamante,
vossas mazurcas e abusões, vossos esqueletos de família
desaparecem na curva do tempo, é algo imprestável.

Não recomponhas
tua sepultada e merencória infância.
Não osciles entre o espelho e a
memória em dissipação.
Que se dissipou, não era poesia.
Que se partiu, cristal não era.

Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.
Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.
Tem paciência se obscuros. Calma, se te provocam.
Espera que cada um se realize e consume
com seu poder de palavra
e seu poder de silêncio.
Não forces o poema a desprender-se do limbo.
Não colhas no chão o poema que se perdeu.
Não adules o poema. Aceita-o
como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada
no espaço.

Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave?

Repara:
ermas de melodia e conceito
elas se refugiaram na noite, as palavras.
Ainda úmidas e impregnadas de sono,
rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.

Carlos Drummond de Andrade

Lição

Não faças poesia com o corpo

Carlos Drummond de Andrade

Monday, June 1, 2009

Feels like Nina today...

Like a child again

Children waitin' for the day they feel good

Happy birthday, happy birthday
Made to feel the way that every child should




Like a child again